Pular para o conteúdo principal

PUBLICIDADE

Crise: Brasil perde mais uma multinacional

 


BRASÍLIA (Reuters) - O Ministério da Economia disse nesta segunda-feira que a decisão da Ford de fechar suas três fábricas no Brasil neste ano destoa da forte recuperação observada na maioria dos setores da indústria no país após o fechamento da economia em decorrência da pandemia da Covid-19 no ano passado.

Em nota, a pasta destacou que trabalha de forma intensa na redução do chamado "Custo Brasil". "Isto reforça a necessidade das medidas de melhoria do ambiente de negócios e de avançar nas reformas estruturais", afirmou o ministério.

Mais cedo nesta segunda-feira a Ford informou que interromperá de forma imediata a produção nas fábricas de Camaçari (BA), onde fabrica os modelos Ecosport e Ka, e Taubaté (SP), enquanto a produção de alguns produtos ainda seria mantida por alguns meses para sustentar os estoques para vendas de reposição.

A unidade que monta o utilitário Troller, em Horizonte (CE), continuará operando até o quarto trimestre. A Ford informou que emprega 6.171 funcionários no Brasil.

A Anfavea, associação que representa as montadoras de veículos no Brasil, afirmou em breve comunicado que respeita e lamenta a decisão da Ford. "Mas isso corrobora o que a entidade vem alertando há mais de um ano sobre a ociosidade local, global e a falta de medidas que reduzam o 'Custo Brasil'", declarou.

(Por Gabriel Ponte)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sanepar revolta Paranaenses

Sem investimento suficiente em saneamento, o Paraná passa pela sua pior seca, mesmo assim a Sanepar quer aumentar as tarifas. O governador Ratinho Junior autorizou o aumento. A tarifa de água e esgoto cobrada pela Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) sofrerá aumento de 5,11% a partir desta sexta-feira (5). O índice de reajuste foi definido pela Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná (Agepar) no dia 29 de dezembro. Após três suspensões de reajustes tarifários, como parte dos esforços de enfrentamento dos efeitos da pandemia de Covid-19 e da crise hídrica, buscou-se na decisão o equilíbrio entre amenizar efeitos futuros – como de um índice maior em razão do acúmulo de adiamentos – e garantir o atendimento e qualidade no serviço para a população.

Aprovação de Greca dispara em Curitiba

  A segunda pesquisa Ibope encomendada pela RPC,  divulgada na noite desta quinta-feira (22),  apontou que  Rafael Greca (DEM) , atual prefeito de Curitiba e candidato à reeleição, teve um aumento em sua aprovação em comparação  com a primeira pesquisa, publicada dia 06 de outubro .  Segundo a pesquisa, o governo de Greca tinha classificação “Ótimo/Bom” de 54% dos eleitores no começo de outubro. Segundo os dados mais recentes, essa avaliação subiu para 59%. Eleitores que avaliavam a gestão de Greca como “Regular” subiram de 29% nas primeira pesquisa para 30%, segundo dados desta quinta-feira. Já a porcentagem dos que classificam a administração de Greca como “Ruim/Péssima” caiu de 16% no dia 6 de outubro para 11% na quinta-feira (22), segundo dados da pesquisa Ibope/RPC. A porcentagem dos que não souberam/não responderam se manteve em 1%, tanto na primeira pesquisa quanto na segunda. Fonte: Tribuna

Bolsonaro volta a pautar o voto impresso no Congresso alegando que o "povo quer"

Foto: Divulgação   O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a defender o voto impresso e diz que está pautando o tema no Congresso Nacional para que o recurso seja utilizado nas próximas eleições. O presidente da República questiona o  sistema eleitoral  dizendo que a urna eletrônica seria suscetível a fraudes, portanto, fazendo-se necessária a comprovação em papel. Já estou conversando com lideranças no Parlamento. Quem decide o voto impresso somos nós, o Executivo, e o Parlamento. Ponto final. E, acima de nós, o povo, que quer o voto impresso", disse Bolsonaro na saída do Palácio do Alvorada.  Desde as eleições municipais Bolsonaro encampa o  voto impresso  como uma bandeira do governo e vem ganhando apoio nas redes socias entre o núcleo do presidente. Fonte:  iG