Pular para o conteúdo principal

PUBLICIDADE

Flávio Bolsonaro compra mansão de R$ 6 milhões em bairro de luxo de Brasília

 


O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, comprou no início deste ano uma mansão no valor de R$ 6 milhões no bairro do Lago Sul, zona nobre de Brasília. Flávio é investigado pela suposta existência de um esquema de desvios de recursos dos salários de seus assessores quando era deputado estadual da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) e, na investigação, é suspeito de realizar a lavagem de dinheiro por meio da venda e compra de imóveis.

A compra da casa foi revelada nesta segunda-feira pelo site "O Antagonista". O GLOBO também teve acesso ao registro do negócio em cartório, cujo valor da compra foi de R$ 5,97 milhões. O documento informa que o imóvel tem 2.400 m², fica localizado em uma área batizada de "Setor de Mansões Dom Bosco", e teve a aquisição registrada no dia 29 de janeiro deste ano. Constam como compradores Flávio e sua esposa Fernanda Antunes Figueira Bolsonaro, casados sob comunhão parcial de bens. A vendedora é a RVA Construções e Incorporações.

A certidão do imóvel registra que, do total do imóvel, houve a contratação de um financiamento para o pagamento de R$ 3,1 milhões. Serão 360 prestações mensais, com taxas de juros entre 3,65% e 4,85%.

Na semana passada, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) anulou as quebras do sigilo bancário e fiscal da investigação da rachadinha, acolhendo um recurso da defesa do senador. Com isso, as principais provas da denúncia apresentada no fim do ano contra Flávio pelo Ministério Público do Rio de Janeiro devem ser descartadas.

A denúncia apontava que 12 funcionários fantasmas lotados no gabinete de Flávio na Alerj teriam desviado R$ 6,1 milhões dos cofres públicos.

Procurada, a assessoria do senador ainda não se manifestou a respeito do assunto.

Fonte: O Globo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sanepar revolta Paranaenses

Sem investimento suficiente em saneamento, o Paraná passa pela sua pior seca, mesmo assim a Sanepar quer aumentar as tarifas. O governador Ratinho Junior autorizou o aumento. A tarifa de água e esgoto cobrada pela Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) sofrerá aumento de 5,11% a partir desta sexta-feira (5). O índice de reajuste foi definido pela Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná (Agepar) no dia 29 de dezembro. Após três suspensões de reajustes tarifários, como parte dos esforços de enfrentamento dos efeitos da pandemia de Covid-19 e da crise hídrica, buscou-se na decisão o equilíbrio entre amenizar efeitos futuros – como de um índice maior em razão do acúmulo de adiamentos – e garantir o atendimento e qualidade no serviço para a população.

Aprovação de Greca dispara em Curitiba

  A segunda pesquisa Ibope encomendada pela RPC,  divulgada na noite desta quinta-feira (22),  apontou que  Rafael Greca (DEM) , atual prefeito de Curitiba e candidato à reeleição, teve um aumento em sua aprovação em comparação  com a primeira pesquisa, publicada dia 06 de outubro .  Segundo a pesquisa, o governo de Greca tinha classificação “Ótimo/Bom” de 54% dos eleitores no começo de outubro. Segundo os dados mais recentes, essa avaliação subiu para 59%. Eleitores que avaliavam a gestão de Greca como “Regular” subiram de 29% nas primeira pesquisa para 30%, segundo dados desta quinta-feira. Já a porcentagem dos que classificam a administração de Greca como “Ruim/Péssima” caiu de 16% no dia 6 de outubro para 11% na quinta-feira (22), segundo dados da pesquisa Ibope/RPC. A porcentagem dos que não souberam/não responderam se manteve em 1%, tanto na primeira pesquisa quanto na segunda. Fonte: Tribuna

Bolsonaro volta a pautar o voto impresso no Congresso alegando que o "povo quer"

Foto: Divulgação   O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a defender o voto impresso e diz que está pautando o tema no Congresso Nacional para que o recurso seja utilizado nas próximas eleições. O presidente da República questiona o  sistema eleitoral  dizendo que a urna eletrônica seria suscetível a fraudes, portanto, fazendo-se necessária a comprovação em papel. Já estou conversando com lideranças no Parlamento. Quem decide o voto impresso somos nós, o Executivo, e o Parlamento. Ponto final. E, acima de nós, o povo, que quer o voto impresso", disse Bolsonaro na saída do Palácio do Alvorada.  Desde as eleições municipais Bolsonaro encampa o  voto impresso  como uma bandeira do governo e vem ganhando apoio nas redes socias entre o núcleo do presidente. Fonte:  iG